ONLINE
1
Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saber mais.
  The best bookmakers at: I want to seize these offers now!

Trading em Tênis nos ATPs Challengers

Trading em Tênis nos ATPs Challengers
No presente artigo faço alguns comentários sobre os tais torneios e deixo algumas recomendações para os traders iniciantes que pretendam começar a trabalhar no segundo nível do tênis mundial.

Não há como negar que as partidas dos Grand Slams e do tour principal ATP e WTA são as que mais movimentam dinheiro nas apostas esportivas. Nestes torneios estão os principais jogadores do mundo, as maiores premiações e o foco principal dos apostadores. Mesmo assim é preciso que se alerte para as oportunidades que diariamente são encontradas nos ATPs Challengers. 

A Hierarquia no tênis masculino

O tênis masculino tem no topo de sua hierarquia os quatro Grand Slams que ocorrem anualmente e são organizados pela Federação Internacional de Tênis (ITF). Abaixo dele temos uma série de torneios (Masters 1000, ATP 500 e 250) organizados pela Associação de Tenistas Profissionais (ATP). Os torneios acima citados formam o tour principal do tênis masculino. Abaixo deles temos os Challengers que são organizados pela ATP e seriam uma espécie de segunda divisão do tênis mundial. Na base do tênis encontramos os Futures que são organizados pela ITF.
 
Os Challengers apresentam característica muito peculiares quando comparados aos torneios do tour principal. Neles encontramos em diversos momentos jogadores que tentam recuperar seu melhor jogo (caso de Tsonga em 2019 e Nishikori em 2018 ambos retornando de graves lesões). Além disso recorrentemente jovens se destacam nos Challengers e no ano seguinte aparecem em bom nível no tour principal. Foi o caso de Shapovalov e Tsisipas em 2017 e Minaur e Auger-Aliassime em 2018. Minhas apostas entre os jogadores que se destacaram em 2019 e que devem perfilar em bom nível no tour principal em 2020 são o italiano Jannik Sinner e o finlandês Emil Ruusuvuori.
 
janmicksinner
 
(Jannick Sinner em torneio disputado em outubro de 2019)

Volume de Jogos

O ano de 2019 foi marcante em minhas operações pois incorporei desde o início da temporada as partidas de Challenger ao meu trabalho. Até 2018 trabalhava em alguns jogos, mas para que isso ocorresse era necessário que os jogadores que já acompanhava no tour principal estivessem jogando ocasionalmente ali.
 
A principal alteração no meu cotidiano de trabalho foi obviamente o grande acréscimo de jogos que pude passar a incluir na minha preparação e entradas ao longo da partida. Em algumas das estratégias que tenho as partidas de Challengers já compõe 50% do total de volume de trabalho.
 
O ponto negativo é que grandes stakes podem ter algum problema nesse nível enquanto passam totalmente desapercebidas nos campeonatos maiores. Caso você assim como eu não use grandes stakes , dependendo de sua estratégia, conseguirá trabalhar com relativa tranquilidade na segunda divisão do tênis mundial. Ressalto apenas algum cuidado com os torneios Challengers que ocorrem em “horário asiático” há ali realmente pouca liquidez e muitos gaps.
 

Acompanhamento dos Players

O aumento no volume de jogos fez com que não conseguisse mais acompanhar os jogos dos players como antes. Até 2018 tinha o hábito de assistir os jogos (quando estivesse trabalhando na partida) ou ver antes da próxima rodada os melhores momentos do dia anterior. 
 
Tal acompanhamento não é mais possível no nível Challenger. Em 2019 por exemplo estive ao lado de 50 jogadores diferentes no circuito Challenger ao longo do ano. Um acompanhamento individualizado que abarque uma quantidade tão grande de atletas (sem contar o WTA e o Main Tour ATP) é humanamente impossível. Dessa forma procurei aperfeiçoar o recolhimento e armazenamento de dados e a transformação deles em informações. 
 

Algumas Estatísticas sobre o circuito Challenger em 2019

Abaixo apresentarei as estatísticas sobre os games de serviços ganhos - SGW (Service Game Won) e games de retorno ganhos – RGW (Return Game Won). Dentre as estatísticas que uso e que me orientam na hora de selecionar as partidas tais informações foram ao longo do ano fundamentais.
 
(As tabelas abaixo contabilizam apenas dados de jogadores que realizaram vinte ou mais partidas ao longo de 2019 em Challengers)

SGW em Challengers no ano de 2019

sgwemchallerngersnoanode2019
 

RGW em Challengers no ano de 2019.

rgwemchallerngersnoanode2019
 

Trabalhando e aprofundando as estatísticas

Olhar apenas as informações das tabelas acima talvez não seja suficiente para completar as análises pré- live e se elaborar uma estratégia para determinada partida, no entanto, tais estatísticas podem ser um excelente modo para se começar a conhecer os jogadores nesse nível. 
 
Suponhamos que você é um trader que procura no mercado oportunidades de quebra. Estar ao lado de jogadores bem posicionados no “ranking de retorno” e contra jogadores mal posicionados no “ranking dos sacadores” pode ser um primeiro passo importante. 
 
Com o decorrer da temporada seu nível de conhecimento vai em muito superando o inicial fazendo com que você ultrapasse o patamar de conhecimento inicial. Com esses dados preliminares você não saberá por exemplo que o argentino Coria é um jogador tático que compensa a falta de força ganhando boa parte de seus pontos mexendo o adversário. A tabela inicial também não mostra que o chileno Tabilo luta incessantemente por cada um de seus pontos. Tais informações de fato não estão nas tabelas acima e elas poderão ser acrescidas com outras estatísticas ou mesmo, dependendo de seu estilo, com a observação “qualitativa” dos players. 
 
Além disso é necessário ter uma série de cuidados quando se transforma dados em informações sem levar em conta as especificidades do desempenho de cada atleta em cada piso. Os números de retorno acima por exemplo equiparam o sueco Mikael Ymer e o indiano Sumit Nagal. Para além das gigantescas diferenças de estilo é necessário ressaltar que o refinamento dos dados aponta que 40% dos jogos de Ymer ocorreram no saibro em contrapartida o indiano jogou aproximadamente 84% das vezes no mesmo piso.
 

As oportunidades estão aí...

Apenas não esqueça que comprar Rafael Nadal ou Simona Halep a 2 e vender a 1,20 remunera da mesma forma que comprar Hugo Dellien a 2 com venda a 1,20. Espero que os iniciantes usufruam de alguma forma o presente artigo.

Quais as melhores casas para apostar em tênis?

,

Partilhar "Trading em Tênis nos ATPs Challengers" via: